Divulgação informativa e cultural da Escola Secundária/3 Camilo Castelo Branco - Vila Real

terça-feira, 22 de março de 2011

Primavera

Chegou a Primavera
Com as suas flores belas;
Gostava de viver no campo
Para sentir o aroma delas.

Tatiana, 7ºD

Primavera

Acróstico produzido na aula de Língua Portuguesa, por alunos do 7ºB, em 21 de Março, dia da Primavera.


Pássaros a cantar
Riso de criança
Ilha florida
Muito perfume no ar
Amor que chegue para dar
Verdes campos floridos
Ervas que os preenchem
Raios loiros de sol
A Primavera é assim!

Ana Beatriz, 7ºB

Primavera é estação bonita
Raios de sol que penetram nas flores
Inesquecíveis férias da Páscoa
Mais quentes do que nunca
Abelhas voam pelas salas
Vendo os alunos a tremer
E a professora a gritar
Riem todos sem parar
A Primavera é o que está a dar.

Filipa Neto Domingues, 7ºB

Para rir e imaginar
Raro é não gostar
Imaginem só
Mais flores para cheirar
Anos e anos sem parar
Ver os campos coloridos
E os pequenos ruídos
Raro é não gostar
A Primavera está a chegar.

Helena Sabino, 7ºB

Pelo menos há dias assim…
Rir e sorrir
Imitar aviões
Manter o calor
Aproveitar
Viver a vida
E escolher
Respeitar
Amar.

Miguel Oliveira, 7ºB

Pássaros a cantar
Rir e brincar
Imaginar e sonhar
Mais sol para iluminar
A chuva começa a emigrar
Visitar para apreciar
E começar a passear
Rastejar pelos campos a brilhar!
A Primavera não vai acabar!!!

Inês Rito,7ºB

À Tua Procura!…

Na CAMILIANA, Os alunos do 8º E, com a participação de pais e encarregados de educação, levaram a cabo a dramatização “A Tua Procura!...”, no âmbito do projecto de Educação Sexual da turma, em articulação com o PES.
Representantes e Pais / Encarregados de Educação mostraram muito agrado pela mensagem, reconheceram pertinência, carácter educativo com abordagens basilares para o desenvolvimento integral dos jovens. Os alunos /espectadores levantaram várias questões oportunas.

segunda-feira, 21 de março de 2011

A "Camiliana"

Entre os dias 15 e 18 de Março, a "Camiliana", conforme programa aqui anunciado, revestiu-se de múltiplas actividades. No dia 15, diversas turmas da escola deslocaram-se ao Conservatório Regional de Música para assistir a um concerto, cujos artistas fazem parte do ensino integrado
No dia 16, realizou-se a cerimónia de abertura da "Camiliana", com a participação especial de " Ana Plácido". Depois de apresentado o programa das actividades pelo Dr. Armando Figueiredo, um grupo de alunos interpretou dois temas musicais. De seguida, o Dr. Henrique Morgado fez uma curta aabordagem do Boletim Cultural, publicação que já apresenta o seu décimo nono número, tendo em conta o número 0 e um número especial relativo à comemoração dos 150 anos da escola. A apresentação da revista esteve a cargo da Drª Adelaide Jordão que, numa brilhante intervenção, destacou os cerca de quarenta trabalhos publicados neste número 17, agrupados por diferentes áreas. A terminar esta sessão, um grupo de professores e alunos interpretou dois temas musicais.
A cerimónia prosseguiu com um jantar camiliano servido na cantina. Para fazer a digestão, seguiu-se um espectáculo no Ginásio. Ana Plácido e Camilo voltaram à actualidade e experimentaram a crise actual (Camilo nunca pensou que se viesse a comprar dívidas!), num excelente texto de Alexandrina Machado. De seguida, diversos alunos estrangeiros, romanticamente vestidos, disseram poesia de Camilo e interpretaram cenas caricatas do seu quotidiano que se prendem com as dificuldades linguísticas.
Se a cerimónia começou com música, a mesma terminou com dança.
Resta dizer que os prinipais momentos deste dia foram incansavelmente registados por uma equipa dd TVKTVÊ.
Os dias seguintes foram preenchidos com diversas iniciativas de caráter cultural e desportivo.
A presença da TVKTVÊ.

Drª Ana Paula Fortuna na pele de Ana Plácido.



Dr. Armando Figueiredo, coordenador da "Camiliana".


Um grupo de alunos abriu a cerimónia.

A Drª Adelaide Jordão na abordagem da publicação.

Se Ana Plácido fez questão de se apresentar na mesa de honra, Camilo não lhe ficou atrás!


Um grupo de professores e alunos encerra esta cerimónia.

Ana Plácido e Camilo riem-se da crise!


Um grupo de alunos estrangeiros construiu os seus próprios fatos e vestiu-se a rigor para a cerimónia.

Assim, a poesia de Camilo até brilhou mais!


Quando as dificuldades linguísticas se tornam comédia.



Um Camilo na dança.

Os brilhantes actores.


Uma representação da APPC abriu o apetite para a prática do Boccia.



Durante os dias 17 e 18, uma equipa de bombeiros da Cruz Verde possibilitou a prática do Slide e Escalada.
Uma curta demonstração de dança latina na sala de Espanhol.



Um encontro inesperado: Nelson Led cantarolava num dos vários laboratórios (Construção do professor Teles).

Na Sala de Estudo escutou-se música e poesia francesa por alunos das turmas do 7ºano de Franês - Iniciação.


O museu da Vila Velha acolheu uma conferência sobre células estaminais.

Quando se saboreia com a imaginação, num Workshop.


" Literatura e Ciência", pelo Dr. António Fortuna, com base na obra de Vitorino Nemésio.



No final de tudo, o rock nos Arcos.


Texto e imagem: J. Costa

Resultados do Torneio de Damas/ Xadrez

No dia 18 de Março de 2011, inserido na Semana Camiliana realizou-se, na Mediateca, o Torneio de Damas / Xadrez.
Foram efectuados 104 jogos no Torneio de Damas cuja classificação foi a seguinte:
1º Lugar – Davide Ferrage - 7ºD;
2º Lugar – Filipe Correia - 10ºM;
3º Lugar – Cátia Teixeira - 10ºM.
No Torneio de Xadrez foram realizados 12 jogos com seguinte classificação:
1º Lugar – Rui Ribeiro - 9ºC;
2º Lugar – José Nóbrega - 9ºC;
3º Lugar – Daniel Lopes - 9ºC.
Após a realização dos torneios foram entregues os prémios, na Mediateca, pelo subdirector, Dr. José Luís Ventura.
Nós, a turma D, estivemos presentes e congratulámo-nos, de forma particular, com o prémio obtido pelo Davide. Felicitamos todos os participantes.


Davide Ferrage, vencedor do Torneio de Damas, e Dr. José Luís Ventura.
(Foto: João Costa)

7º D

terça-feira, 15 de março de 2011

Abertura da Camiliana - Apresentação do Boletim CULTURAL

(Clique na imagem para aumentar)

Exposição - Simetria jogos de espelhos



Na Sala de Reuniões e Biblioteca.

Dia Internacional da Protecção Civil

Os alunos do 8º ano turmas E e F comemoraram o Dia Internacional da Protecção Civil, com uma exposição de trabalhos de extensão e de articulação com outras áreas do saber, durante a semana 28 de Fevereiro a 4 de Março, cuja realização foi coordenada pela nossa professora de Geografia. Desta feita colaborámos com o Clube de Protecção Civil da Escola e deixámos o nosso testemunho com variados trabalhos sobre as diferentes catástrofes naturais e as respectivas medidas de previsão, prevenção e protecção das populações.
Deixámos registados os principais conselhos da Autoridade Nacional de Protecção Civil, em Portugal que à semelhança de outros países como por exemplo o Japão aconselha que todos os residentes devem ter em casa uma mochila com os objectos, indispensáveis, em caso de catástrofe: lanterna, pilhas, rádio portátil, isqueiros e/ou fósforos, velas, alimentos que não se estraguem facilmente, água potável, lona impermeável, caneta e bloco de notas e Kit de primeiros socorros.
Ao fim do dia 1 de Março tivemos oportunidade de assistir a um filme temático: “O Dia Depois de Amanhã”, com a colaboração do Clube REBOBinART da Escola, para avaliarmos a amplitude dos efeitos das catástrofes e a necessidade de o Homem desenvolver estudos para melhor conhecimento das mesmas e dos seus efeitos e assim informar e ajudar na protecção das populações.

Alunos do 8ºE e 8ºF.

Os Relacionamentos Afectivos dos Jovens

Decorreu na Escola, entre os dias 14 e 25 de Fevereiro, a actividade “Os Relacionamentos Afectivos dos Jovens!...” dinamizada pela docente Lurdes Lúcio, uma actividade de articulação entre o projecto de Educação Sexual da turma E do 8º ano “À TUA PROCURA!...”, o Projecto Educação Para a Saúde (PES) e a Sala de Estudo. A colaboração da coordenadora do PES, Drª Ana Rocha e da coordenadora da Sala de Estudo, Drª Brízida Azevedo permitiram um trabalho coeso e articulado.

Participaram um número muito elevado de alunos que registaram mensagens e teceram alguns comentários à actividade.
Transcrevemos alguns dos comentários dos alunos envolvidos: “ A ideia foi muito interessante. Escrevemos várias mensagens de apoio, carinho, esperança. Gostámos de dizer a muitas crianças, pobres e infelizes que estamos com eles, que os entendemos. Deixámos a sugestão de proteger o ambiente e ajudar as vítimas de catástrofes, as crianças, os jovens, todos. (…) Gostámos de partilhar a nossa mensagem com as dos outros alunos da Escola. É bom escrevermos mensagens de afecto para uma pessoa especial, para o nosso namorado ou amigo… É bom escrevermos mensagens de amor para uma pessoa especial. (…)
A mensagem do “Autor desconhecido” agradou-nos muito. Queremos contribuir para melhorar as relações de afecto, de carinho, de paz, de amor. A todos … na Escola e no Mundo. (…)
Vamos repetir esta experiência que foi muito interessante, escrevendo e amando.”

Enviado por Brízida Azevedo

À Tua Procura!...

A partir dos objectivos do PES foi arquitectado o Projecto de Educação Sexual da turma E do 8º ano, “À Tua Procura!...”, coordenado pela docente Lurdes Lúcio, com enfoque para:
- Valorização da sexualidade e afectividade entre as pessoas no desenvolvimento individual e a melhoria dos relacionamentos afectivo sexuais dos jovens.

No âmbito deste projecto foi realizada anteriormente a actividade “Os Relacionamentos Afectivos dos Jovens!...”, uma actividade de articulação entre o projecto referido, o Projecto Educação Para a Saúde (PES) e a Sala de Estudo tendo decorrido na Escola, entre os dias 14 e 25 de Fevereiro.
Para dar continuidade ao projecto de Educação Sexual, os alunos da turma E , 8º ano, com a participação dos Pais e Encarregados de Educação, vai levar a cabo, na Camiliana, uma dramatização com o mesmo título do projecto.
“Os “actores” estão a pisar o “palco” pela 1ª vez mas as emoções fervilham dentro de si, pelo que a conciliação entre o educativo, prático e o emocional não se afigura pacífica, nesta singela dramatização.
A jovem Joana de um meio sociocultural diferente dos outros jovens da turma encontra grandes dificuldades de integração. O enfoque na amizade, na partilha, no afecto, no respeito mútuo, acaba por “fundir a turma” num grupo coeso e solidário.


Enviado por Lurdes Lúcio

O «15 de Março» e o início da Guerra Colonial


Ataques dos Bacongo no Norte de Angola.


Foi precisamente há 50 anos que Portugal viu-se envolvido numa guerra colonial. O ano de 1961 marca o início de uma guerra sangrenta pela preservação das colónias portuguesas em África.
O acontecimento que determinou a tomada de decisão do regime pela via militar foi o 15 de Março desse ano quando membros das tribos Bacongo, na sua maioria munidos de armas de fogo artesanais e catanas, iniciaram uma rebelião que alastrou ao Norte de Angola, nomeadamente aos distritos de Luanda, Cuanza-norte, Malange, Uíge e Zaire, atacando fazendas e chacinando brancos e negros que se mantinham fiéis àqueles. No ataque morreram cerca de 800 colonos brancos, bem como perto de 6.000 negros que para eles trabalhavam. Desde cedo, as autoridades portuguesas atribuíram a responsabilidade dos ataques à UPA (União dos Povos de Angola), de Holden Roberto. Esta rebelião, que se revestiu de acções particularmente sangrentas, visava, através do pânico, pressionar os portugueses ao abandono dos locais onde se haviam instalado.
Mas nos dias e semanas seguintes assistiu-se em Angola a um apelo à resistência civil e deu-se a instauração de um «reino de terror». Tentando vingar a morte dos portugueses assassinados no Norte de Angola, colonos brancos, constituídos em milícias civis - a «Vanguarda Salazar», os «Viriatos» ou até os «voluntários de Moçambique» - cometem contra a população africana atrocidades tão violentas como haviam sido as cometidas pelos elementos da UPA. E para Salazar e para o regime a palavra de ordem é: para “Angola”, “andar rapidamente e em força é o objectivo que vai pôr à prova a nossa capacidade de decisão”. Era o início da acção armada portuguesa em África, que iria terminar apenas em 1974.



Discurso do Presidente do Conselho, Salazar, e a decisão pela via armada.

Para assinalar esta data, será exposta uma Exposição Fotobiográfica na escola, promovida pelo Grupo de História.
Enviado por Hugo Bento

domingo, 13 de março de 2011

sexta-feira, 11 de março de 2011

I ENCONTRO DOS ALUNOS DE EMRC DO ENSINO SECUNDÁRIO - LISBOA

Dia 4 de Março


Centenas de jovens vindos de todo país, entre os quais alguns alunos do 10º ano da nossa escola, interromperam, pelas 17h00 horas, uma das artérias mais movimentadas da capital: O Marquês de Pombal. A praça, habitualmente usada para festejos de clubes de futebol foi literalmente invadida ao som do cântico "grita comigo"!!!
Foi com o sentido de caminhada, à "procura da beleza" que se iniciaram os trabalhos do 1º dia do Encontro do Secundário.
Na intervenção da noite, e perante mais de 500 jovens, D. Manuel Clemente, bispo do Porto, abordou o tema da beleza numa conferência subordinada ao tema"A beleza do Cristianismo na cultura actual". Na ocasião, o bispo de Porto recordou figuras como "Madre Teresa de Calcutá e São Francisco de Assis" e falou sobre "a beleza da cruz que nos abraça através de gerações".
Ao final da tarde, os jovens tiveram um momento de celebração com cânticos e encenações. D. Joaquim Mendes, bispo auxiliar de Lisboa, pediu aos jovens "coragem para testemunhar Jesus".
No encontro participam a esta hora António Pinheiro Torres, João César das Neves, Lígia Silveira, Maria Isilda Pegado, Pe. Jorge Castela e Octávio Carmo num painel subordinado ao tema Painel: "Como dá a fé mais beleza à minha vida?".
No final do dia os jovens participaram numa "cristoteca".

Dia 5 de Março
Na manhã de Sábado, os trabalhos tiveram início marcado para as 9h30 no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, com um Fotopaper "à procura da beleza" pela cidade de Lisboa.
A sessão de encerramento está marcada para as 16h00 na Igreja do Sagrado Coração de Jesus sob presidência de D. Joaquim Mendes.
O I Encontro do Secundário foi acompanhado pelas redes sociais. Faça-se amigo forumemrc .



Enviado por Paulo Santos

quinta-feira, 10 de março de 2011

Entrevista aos professores António Teles e Tiago Carvalho

No dia 15 de Fevereiro de 2011, na Mediateca, nós, os alunos do 7ºD, acompanhados pelo professor de Estudo Acompanhado, realizámos, no âmbito da interdisciplinaridade, o projecto conjunto do Conselho de Turma/ Mediateca/Departamento de Expressões: entrevista aos professores António Teles e Tiago Carvalho com a cooperação do professor Ricardo Santelmo.
De acordo com a estrutura da entrevista, procedemos, inicialmente, à apresentação dos professores. Tarefa a cargo de dois alunos.
Prosseguimos com perguntas orientadas e constantes do guião. Ao professor António Teles, colocamos uma questão sobre a possibilidade de haver relações de semelhança entre os processos usados por Giotto nas suas pinturas iniciais e os graffiti.
O professor lembrou que no tempo do pintor italiano não havia sprays, nem paredes para pintar. Indicou as diferenças que particularizam essas práticas quer ao nível dos materiais, quer da intenção comunicativa. A seguir, reportou-se aos riscos de os graffiteurs poderem ser apanhados pela polícia.
Por sua vez, o professor Tiago Carvalho informou os alunos sobre o processo de construção de Veneza. Nas suas palavras, Veneza estava construída sobre uma base feita de madeira, mergulhada na água, sobre a qual as casas estão edificadas. No que respeita à construção comparou esta cidade à nossa capital, especificamente à baixa pombalina. Acrescentou também que antigamente Veneza era constituída por 65 ilhas e actualmente por 117.
Entretanto, chegou o professor Ricardo Santelmo que já esteve diversas vezes em Veneza. Respondeu a questões livres sobre esta cidade. Da sua intervenção destacamos a referência a um dos problemas de Veneza: a subida do nível das águas e, ainda, a necessidade de o evitar. Disse-nos que estão a investigar a diversos níveis uma solução para tão grave problema, nomeadamente a possibilidade de construir uma barragem, embora as consequências de uma possível tempestade possam ser desastrosas, destruindo tudo.
Depois de estarem esclarecidas as nossas questões e dúvidas, agradecemos aos professores.

7ºD

segunda-feira, 7 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher - Sala de Estudo



A sala de estudo da Camilo assinala o Dia Internacional da mulher, ao homenagear as escritoras Luisa Dacosta, Dulce Cardoso, Luísa Gomes, Hercília Agarez e as pintoras Graça Morais e Teresa Pardelinha, algumas das ilustres mulheres da Cultura transmontana. Recorda ainda Dona Antónia Ferrreirinha, a "Rainha do Douro".
No expositor temático, foram divulgados poemas sobre a Mulher, dos poetas transmontanos António Cabral, Antonio Fortuna. De Arinda Andrés, expôs-se o poema "Mulheres da Minha terra".
Enviado por Brízida Azevedo.

domingo, 6 de março de 2011

Diário do 7ºA

O Sexo dos Deuses – Sessão dinamizada pelo Dr. Anastássios Perdicoúlis
Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011
Liceu Camilo Castelo Branco

Querido Diário, olá!
Hoje, o pai da Mafalda, Anastássios Perdicoúlis, professor na UTAD, veio falar-nos sobre o Sexo dos Deuses. Ele é de origem grega, por isso falámos sobre os deuses gregos.
No início, o professor achou importante fazer uma introdução e começou: “Os deuses permanecem nas memórias”, pronunciou isso enquanto fazia uma linha no quadro. A linha era uma recta temporal onde localizámos alguns personagens. Começámos por falar de Homero, que era autor de várias poesias cantadas, algures no século IX a. C. (“adi” é a palavra grega para designar poesia cantada. Depois dialogámos sobre Platão, Sócrates e Aristóteles que localizámos no século IV a. C. Aeneas foi fugitivo da guerra de Tróia, ele foi uma das pessoas que relembrou ou ensinou o culto aos deuses que existia na Grécia. O Tasso – diminutivo de Anastássios – disse-nos também que os deuses já existiam no século IX e nessa altura já eram respeitados. Depois da “barreira” que foi o nascimento de Jesus Cristo, o culto a estes deuses foi desaparecendo e hoje, no século XXI, só resta o que alguns de nós sabemos.
Depois falámos sobre os Deuses do Olimpo (deuses mais populares no mundo helénico), que eram 12, mas primeiro falámos de Díke. Díke (lê-se diqui) é cega, representa-se sempre com uma balança na mão e, como é a deusa da justiça, mede a justiça. O Tasso disse que, no Tribunal do Porto, estava representada esta deusa. ΔΙΚΗ é como se escreve em grego. De seguida, fizemos a família/árvore genealógica dos Deuses do Olimpo:

Zeus – deus dos deuses;
Hera – deusa da família;
Hades – deus do inferno;
Poseidon – Deus da água;
Demeter – deusa da agricultura, fertilidade e das épocas;
Hephestus (Vulcano – latim) – deus dos vulcões e do fogo dominado;
Aphrodite – deusa da beleza e do amor;
Apollo – deus da luz;
Atena – deusa da sabedoria, da ciência, da estratégia e do combate;
Artemis – deusa da caça e da natureza (deusa virgem);
Ares – deus da guerra, deus guerreiro;
Dionysio – deus do vinho;
Hermes – deus mensageiro, dos comerciantes e dos ladrões;

Após vermos tudo isto, falámos das relações que tinham uns com os outros e, mesmo entre irmãos, o amor existia.
No final falámos de personificação de conceitos: alguns deuses eram associados a conceitos que lhes eram atribuídos.
Gostámos muito da palestra, foi muito interessante.

Beijos e até à próxima,
7º A

“Visita de estudo a Tresminas e à Anta da Fonte Coberta”
Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011
Liceu Camilo Castelo Branco


Querido Diário, como estás?
Já aguardávamos este dia desde que nos foi anunciado que faríamos esta visita de estudo... Hoje, aconteceu!
Conjuntamente com outras turmas de 7º ano, hoje de manhã cedo aguardámos a chegada dos dois autocarros que nos levariam até Vila Pouca de Aguiar, a fim de visitar o Complexo Mineiro Romano de Tresminas.
Chegados a Tresminas, estivemos a ouvir o nosso guia, que nos disse as normas que teríamos que seguir durante a nossa visita. O senhor que nos guiava levou-nos a ver depois o Complexo Mineiro Romano de Tresminas e suas belezas que são... bem, estonteantes, para alguém que aprecia a Natureza. Voltámos ao sítio onde primeiramente nos tínhamos encontrado, o parque de estacionamento. Aí, formámos 2 grupos: o que seguiria da primeira vez a ver uma mina...que era de hibernação para morcegos, e o outro que seguiria a seguir.
A mina estava escura... mas nós tínhamos lanternas. Tinha o tecto baixo... mas nós tínhamos capacetes, para evitar as cabeçadas. Bem, acabámos por ver 2morceguitos e por ficar com os pés todos molhados por não levarmos calçado apropriado e termos que passar num mini-lago dentro da mina.
Depois do almoço, estivemos a divertir-nos ao ar livre. Alguns jogaram futebol num descampado, outros esconderam-se atrás das árvores, dançaram e jogaram cartas na sombra destas, e, ainda, outros ficaram a apreciar o bom aroma da Natureza.
Entrámos nos autocarros de novo e seguimos até Alijó, para ver a Anta da Fonte Coberta. Lá, contemplámos as pedras que constituíam aquele monumento... pré-histórico. Uau! É difícil acreditar que há milhares de anos atrás o homem primitivo já fosse capaz de construir, não é?
Ouvimos uma breve explicação dos professores de História, acerca daquela anta, e fomos para os autocarros, para regressar a Vila Real pouco tempo depois.
Resta-nos dizer que gostámos muito desta visita de estudo e agradecer aos professores que a organizaram.
Com muitos abraços, beijinhos e tudo mais, os amigos do 7ºA.

P.S.: Hehehe!! Toda a gente achou muito engraçado o facto de... a Mafalda ter levado sopa!!!


Diário do 7ºA
Gabinete PES – Sessão dinamizada pela enfermeira Vanessa

Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011
Liceu Camilo Castelo Branco

Querido Diário, olá!
Hoje tivemos a visita da enfermeira Vanessa, na aula de Formação Cívica, das 16:45 às 17:30. Alguns colegas chegaram atrasados porque estiveram no Auditório a participar nas Olimpíadas de Matemática.
Quando a enfermeira chegou, apresentou-se e explicou-nos o que era o Gabinete PES, para que servia e onde se localizava – disse-nos que se fôssemos do átrio da escola na direcção da papelaria/reprografia, quando passássemos a porta do corredor havia um pequeno compartimento à direita das escadas, em cuja porta se lê “Canto dos Afectos”.
Depois, convidou-nos a fazer um jogo a pares, que consistia em escrever tudo o que sabíamos sobre o nosso colega do lado e, em seguida, tínhamos de ler para todos.
Por último, informou-nos acerca dos horários do Gabinete.
Entretanto tocou a campainha e saímos.

Beijos e até à próxima,
7ºA

sexta-feira, 4 de março de 2011

O meu primeiro brinquedo

Quando eu era muito pequena, estava sentada ao lado da minha avó que cosia uns panos. Quando ela acabou, deu-me o que tinha feito: era uma boneca de pano muito engraçada. A roupa dela era um vestido laranja com flores azuis; as pernas e os braços às riscas e às pintas de várias formas; o cabelo era feito com linhas pretas que faziam uns enormes totós. No meio da cara tinha um grande sorriso feito com linhas vermelhas; dois grandes olhos castanhos.
Quando a vi, fiquei encantada, e sorri como a boneca. Fiz-lhe uma cama com uma caixa e uns panos, chamei-lhe Joana, porque era um nome que eu gostava muito.
Eu imaginava-a com vida, falava com ela e por ela. Ia fazer bolos de lama e punha-a a cozinhar comigo. Quando minha mãe me chamava para ir comer, eu ia com a minha Joana, dava-lhe comida, sujando-a toda. Até que um dia deixei-a na escola, e minha avó viu-a e levou-a para lavar. Fiquei muito aflita à procura dela, já com as lágrimas nos olhos.
Fui até à casa da minha avó, e lá estava ela, a minha Joana, pendurada pelos totós, na corda de secar a roupa! A partir daí, nunca mais a larguei.

Verónica Alves, Nº20, 7ºD

Animação de Carnaval/Concurso de Pinturas Faciais

Hoje, dia 4 de Março de 2011, realizou-se a "Animação de Carnaval/Concurso de Pinturas Faciais”, actividade conjunta da Mediateca e do Departamento de Expressões. Participaram os alunos dos cursos de Artes (10º, 11º, 12º).
Foram destacadas algumas pinturas faciais dos alunos: Carla Machado, 12ºF; João Anta, 10ºG; Fátima Bravo, 10ºH; Joel Almeida, 10ºH; Pedro Aires, 12º E; Cátia Silva, 12º E.
O primeiro prémio foi atribuído a Cátia Silva, 12º E; o 2º a Pedro Aires, 12º E; o terceiro a Joel Almeida, 10ºH; o quarto a Fátima Bravo, 10ºH; o quinto a João Anta, 10ºG; o sexto a Carla Machado, 12ºF.
Os prémios, oferecidos pela DRCN, foram entregues pelo Dr. Dino Mesquita, em representação da Direcção da Escola.
O júri foi constituído por três profissionais do Departamento de Expressões.
A Mediateca e o Departamento de Expressões agradecem a todos os que garantiram esta realização.



Participantes no concurso.

Cátia Silva - 1º prémio


Pedro Aires - 2ºprémio



Joel Almeida - 3º prémio

Fátima Bravo - 4º prémio



João Anta - 5º prémio


Carla Machado - 6º prémio



Texto: Mediateca

Fotos: João Costa

quarta-feira, 2 de março de 2011